13 de outubro de 2017 admin 0Comment

Me parece uma ilusão a possibilidade de podermos viver algo, um amor, uma relação com alguém, você vive na verdade com você mesmo.

Sentimos Algo forte que vem de uma vontade de servir, de sentir, de fazer, que te mobiliza para o mais. E a intensidade depende da quantidade de amor que há em você, auto amor.

Romper um relacionamento não é sinal de falta de amor, é na verdade, como uma represa de amor que com as decepções e excessos de expectativas vai criando rachaduras, anunciando o perigo de sérios danos. Para que isso seja evitado, o rompimento com o outro é necessário. É uma forma de não romper-se. O instinto de autopreservação é ativado, processo natural em todos os seres animados.

Ter um parceiro ou parceira é importante, para nos ajudar a ver aquilo que não damos conta sozinhos, parece uma desculpa.

O que acontece?

No inconsciente mais profundo pode existir uma crença de que só conseguirei ser feliz e pleno com alguém. Então a mente põe-se a serviço, ativando meu corpo, meus sentidos, minha força é mobilizada para encontrar alguém.

Quando apressadamente encontramos esse alguém, que parece brilhar e ser diferente de todas as outras experiências, não nos damos conta de que muitas vezes já temos um referencial, algo já vivido que buscamos resgatar. Muitas vezes sem saber disto, passamos a compartilhar o que é meu com o que é dele(a). Ao compartilhar minha vida e experiência eu tiro de mim e exponho e aí eu posso me ver. Se estiver acordado o Ser pode compreender a brincadeira e buscar se curar, conectando com seu centro.

As vezes pensamos que o que é do outro é difícil, mas na verdade só é difícil para você porque para o outro também é difícil. Afinal estamos espelhando um ao outro. Somos humanos.

Olhar para tudo que é e perceber seu limite é o mais importante. Concordar com o que se apresenta como é e não querer mudar o outro. Respeitar o próprio processo e o do outro também.

O desafio é se encontrar e ser um agente observador do que chega. Sem pretensões. Vazio de expectativas. Incluindo e honrando a vida como se apresenta.

Quando uma represa se rompe as consequências são caóticas e muitas vezes de morte emocional.

Se ame mais. Se preserve.

Marilene da Hora Souza – Yakunaaj.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *